Search
  • Denis Canal Mendes

Psicoterapia: a quem será que se destina?

Updated: Jan 7, 2019

Hoje, mais do que em outros tempos, muitas pessoas acabam percebendo o quanto as suas vidas estão esvaziadas de um sentido e de uma razão para se viver.



Por Denis Canal Mendes


“Muitas pessoas ficam cansadas das incompreensões e falta de sentido em suas vidas e acabam procurando um terapeuta, querendo saber em qual direção devem seguir.”

Achávamos que, com o aumento do conhecimento, com o avanço tecnológico e com o desenvolvimento da globalização, pudéssemos levar a humanidade para o crescimento individual e social, visando assim uma melhora na nossa qualidade de vida. Porém, em nosso dia a dia, percebemos que o ser humano continua enfadado em um abismo: entre ser o "criador" ou as "suas criações".


Mudança de atitude


Parece estranho, talvez medonho, imaginar que essa incompreensão, essa ignorância, essas dúvidas em relação a "alguma coisa" podem servir como estopim de uma mudança de atitude. Não precisamos voltar muito no tempo, mas os grandes "criadores" foram impulsionados por uma incompreensão. Vejamos o exemplo de Isaac Newton, que por não entender o motivo da queda de uma maçã buscou sua compreensão e acabou escrevendo sobre a lei da gravidade. É claro que muitas vezes essa não é a única forma para revermos algo em nossas vidas para uma mudança de atitude, já que isso seria um primeiro passo, mas, com certeza, o aquecedor vem da inquietação e das incertezas e isso sim pode levar o ser humano a entrar numa nova caminhada. E, muitas vezes, o propulsor vem após alguma dor, mágoa ou decepção. É nos momentos de incerteza que nós sofremos algum tipo de baque ou choque, como um infarto, um AVC (acidente vascular cerebral), um acidente de automóvel, uma decepção amorosa, um estado de coma alcoólico etc. Não importa a forma, o que venho percebendo, no meu trabalho terapêutico, é que muitas pessoas ficam cansadas das incompreensões e falta de sentido em suas vidas e acabam procurando um terapeuta, querendo saber em qual direção devem seguir.



Ampliando a consciência


"O que será que estou fazendo para mim mesmo? Como anda a minha vida?

Sou adepto de que essas perguntas são, muitas vezes, sem respostas concretas. Essas situações, aparentemente sem explicação, são elementos primordiais e iniciáticos para começar um processo terapêutico. Não estou querendo dizer aqui que: "Se eu bati o carro devo ir procurar um terapeuta". Não é isso, mas o que é importante de se destacar e perceber é que quando as coisas começam a se repetir em nossas vidas algo pode não estar indo bem. Acho que o mais interessante é que dessa situação de dificuldade, de indefinições, possam sair reflexões e perguntas do tipo: Como eu estou? O que será que estou fazendo para mim mesmo? Como anda a minha vida? Porque será que isso aconteceu novamente? Pois até então eu não queria ver e a partir de agora o nosso olhar precisa mudar, a nossa perspectiva precisa ser ampliada, precisamos sair de uma posição de parar de ficar reclamando "puxa! Isso só acontece comigo; de novo, não aguento mais" (sic) para que eu possa rever o meu modo de vida, porque mais do que falar que irei mudar, que não irei fazer isso novamente, tenho que tomar consciência de quem eu sou e de como estou inserido neste mundo, pois a melhor mudança começa pela atitude, no rever o que quero para mim e para a minha vida, pois manter-se numa postura de queixume não resolve.


Em busca dos nossos sonhos


Dar o melhor de mim para mim mesmo é o início e, considerando o meu existir, posso considerar a existência do outro, do diferente, com qualidades e defeitos e, dessa maneira, conseguir enxergar a existência de uma sociedade. O desejo de ser eu mesmo deve ser considerado, deve ser enaltecido, sonhado. Pois os sonhos são o começo de um ideal, de uma meta e nós precisamos deles para caminhar. Vamos, em busca dos nossos desejos e dos nossos sonhos!!!

17 views
Contato

Rua Harmonia, 896

Vila Madalena, S​ão Paulo, SP​​

Tel: 11 3812-7677

dcmpsijunguian@gmail.com

© 2019 DCM. Todos os direitos reservados.